Posts Recentes

Triglicerídeos altos, como resolver?

Os triglicerídeos são as principais gorduras do nosso corpo. A hipertrigliceridemia é uma concentração anormal de triglicerídeos no sangue. É caracterizada pelo nível de triglicerídeos ≥ 150 mg/dL.




Os triglicerídeos elevados podem levar a formação de placas ateroscleróticas, desencadeando a aterosclerose, que é uma doença inflamatória crônica que compromete a camada íntima de artérias de médio e grande calibre.


Mas por que os triglicerídeos sobem?


Entre as causas da hipertrigliceridemia podemos citar:


Genética – leva ao descontrole no metabolismo de triglicerídeos (causa primária)

Dieta rica em hidratos de carbono, frutose e gorduras saturadas (ou seja comer errado e mais do que aquilo que gastamos, pois todo excesso fica armazenado em forma de gordura), obesidade, diabetes, sedentarismo alguns medicamentos, hipotireoidismo, esteatose hepática (causas secundárias)






É possível reduzir os triglicerídeos sem usar fármacos?


Sim, mas cada caso é um caso, pois quando o problema persiste ou está muito acentuado é preciso sim fazer uso de fármacos de acordo com a prescrição médica em primeira instância. Quando é possível evitar os fármacos, devido aos efeitos colaterais indesejáveis, o caminho segue pela mudança alimentar, exercício físico e suplementação.



E o Omega 3 ajuda a baixar os triglicerídeos?


Ajuda sim. O Omega 3 começou a ser estudado na década de 70 quando os pesquisadores observaram que os esquimós da Groenlândia apresentavam baixa incidência de doença coronariana, maior tempo de sangramento e menor concentração de lípides e lipoproteínas plasmáticas. Descobriram que estas características não eram relacionadas a fatores genéticos, mas ambientais, provavelmente devido ao alto consumo de peixe, hábito diário daquela população. Os resultados foram confirmados posteriormente em estudo do tipo coorte realizado no Japão.




A partir daí os ácidos graxos ômega-3, cujos componentes de interesse são o Eicosapentaenóico (EPA) e o Decosahexanóico (DHA), têm se destacado em diversos estudos sendo que o EPA tem uma ação mais sistêmica e o DHA mais a nível central ou neurológico.


A proteção proporcionada pelo Ômega-3 se deve principalmente ao seu efeito redutor sobre os triglicerídeos no plasma através da redução da síntese hepática de lipoproteínas de densidade muito baixa (“very low density lipoprotein” - VLDL). O Ômega-3 proporciona também redução do colesterol total e colesterol de densidade baixa (“low density lipoprotein” - LDL), ação vasodilatadora, anti-inflamatória, antiarrítmica e efeito anticoagulante, e antiagregante. (MESQUITA et al., 2011).



Existe comprovação científica sobre o Omega 3?


Há inúmeros artigos científicos sobre os benefícios de Omega 3, disponíveis no Google Académico. Basta digitar e pesquisar.


Um estudo prospetivo duplo-cego, placebo-controlado de Omacor* (4g/dia por 4 meses), realizado em 42 pacientes que apresentavam nível de triglicerídeo entre 500 a 2000mg/dL. Compararam os resultados com os valores iniciais e observaram que o uso de Omacor reduziu significativamente os níveis de triglicerídeos em 45% (p<0,00001), em 15% o 48 colesterol (p<0,001) e 32% o VLDL (p<0,0001).


Concluiu-se que quatro cápsulas por dia de Omacor, em pacientes com hipertrigliceridemia grave, diminuem consideravelmente os níveis de triglicerídeos, podendo reduzir a longo prazo o risco para a doença cardiovascular. (Harris et al;1997)



Outra pesquisa revelou que em 8 semanas de estudo randomizado, duplo-cego com um total de 26 indivíduos (23 homens e 3 mulheres na pós-menopausa) com hipertrigliceridemia moderada (150-500mg/dL), 3,4g/dia de EPA+DHA reduziu em 27% os níveis de triglicerídeos. Não houve alterações no colesterol total, LDL e HDL (Skulas-Ray et al., 2010).


(*Omacor é o nome comercial de uma marca de Ômega 3 em capsulas)



Onde encontramos Omega 3 de boa qualidade?


Os peixes e os óleos de peixes de águas frias e profundas são fontes de ômega-3. O conteúdo deriva do consumo de fito plâncton que é rico em ômega-3, portanto o teor do ácido graxo encontrado nos peixes está associado à espécie de peixe, da localização, temporada e disponibilidade de fito plâncton




Mas e o salmão criado em cativeiro? Se está dito e comprovado que o Omega 3 deriva do placton de águas profundas, é difícil encontrarmos Omega 3 em peixes de cativeiro, bem como em produtos enlatados, uma vez que o processo de conservação não garante a manutenção das propriedades nutricionais do produto. Outras fontes naturais de Omega 3 são sardinhas, a semente da chia, de linhaça e nozes.



Quais as recomendações para o uso do Omega 3?


Para pacientes com doença cardiovascular a American Heart Association (AHA) recomenda uma 1g/dia de EPA e DHA (sob a forma de peixes e óleos, podendo ser considerado o consumo de suplementos). O consumo de 2 a 4g/dia de EPA e DHA em cápsula é indicado para pacientes que apresentam hipertrigliceridemia (KRIS-ETHERTON, HARRIS e APPEL, 2002).


Mas lembre-se que cada individuo é único e inúmeros fatores podem estar correlacionados ao aumento dos triglicerideos. Portanto antes de suplementar com Omega 3, é importante estudar, pesquisar, buscar a opinião e o acompanhamento de um profissional de saúde que trabalhe com suplementação.


Referencias bibliográficas:

KRIS-ETHERTON, P. M.; HARRIS, W. S.; APPEL, L. J. Fish consumption, fish oil, omega-3 fatty acids, and cardiovascular disease. Circulation, v. 106, n. 21, p. 2747- 2757, 2002.

HARRIS, W. S.; GINSBERG, H. N.; ARUNAKUL, N.; SHACHTER, N. S.; WINDSOR, S. L.; ADAMS, M.; BERGLUND, L.; OSMUNDSEN, K. Safety and efficacy of Omacor in severe hypertriglyceridemia. Journal of Cardiovascular Risk,

v. 4, n. 5-6, p. 385- 391, 1997.

MESQUITA, T. R.; SOUZA, A. A.; CONSTANTINO, E.; PELÓGIA, N. C. C.; POSSO, I. .P.; PIRES, O. C. Efeito anti-inflamatório da suplementação dietética com ácidos graxos ômega-3, em ratos. Revista Dor; v. 12, n. 4, p. 337-341, 2011.

SKULAS-RAY, A. C.; KRIS-ETHERTON, P. M.; HARRIS, W. S.; HEUVEL, J. P. V.; WAGNER, P. R.; WEST, S. G. Dose-response effects of omega-3 fatty acids on triglycerides, inflammation, and endothelial function in healthy persons with moderate hypertriglyceridemia. The American Journal of Clinical Nutrition; v. 93, n.2, p. 243-252, 2011.


Siga
Nenhum tag.
Procurar por tags
Arquivo
  • Facebook Basic Square

Olá, sejam bem-vindos!